domingo, 3 de junho de 2012

Grupos Pequenos para se ensinar Questão Ambiental

Esta proposta foi publicada nos Anais da VIII Semana de Geografia: Geografia e a Questão Ambiental e V Jornada Científica do Curso de Geografia. ISSN 2238-3816, UENP, Cornélio Procópio – PR, 2012.
O uso da Discussão em Grupos Pequenos para se ensinar Questão Ambiental no ensino Fundamental
BITTENCOURT, Jéssica
RIBEIRO, Greici Kelly³
PEREIRA, Júlio César do Prado4
OLIVEIRA, Jully G. Retzlaf

Palavras-chave: Ensino de Geografia; técnica de ensino; Participação ativa dos alunos
INTRODUÇÃO

                   O presente trabalho é fruto da disciplina de formação didática pedagógica e o ensino de Geografia II, e visa discutir sobre as dinâmicas em grupo no processo de ensino aprendizagem de Geografia, e em específico  debater sobre a técnica  da Discussão em Grupos Pequenos para ensinar a Questão Ambiental no 9 ano do Ensino Fundamental. Para realização deste resumo expandido foram feitas leituras de bibliografias específicas sobre o assunto.
Este artigo traz um debate sobre a educação ambiental e as contribuições de Piaget na formação de educadores ambientais, dentro da disciplina de geografia. Deve-se levar em conta o caráter frágil do equilíbrio dinâmico de nossos biomas, e bem como os diferentes tipos de relações sociais que modificam o meio ambiente visando atender interesses econômicos e políticos. A Discussão em Grupos Pequenos em uma sala de aula pode beneficiar tanto professores como alunos, esta dinâmica deve conscientizar os alunos quanto à sustentabilidade dos ecossistemas e discutir sobre a reciclagem de materiais e a redução do consumismo.
O objetivo dessa técnica é dividir uma turma numerosa em grupos pequenos, que terão uma atividade a ser desenvolvida conforme planejado pelo professor, podendo ser a seguinte forma:  Grupos simples, com tarefa única, o professor passa no quadro negro uma pergunta e cada grupo irá discutir em um determinado tempo sobre o assunto, aonde irão nomear um relator que ao final da discussão devem se reunir a outros relatores e promover um debate; Grupos simples, com tarefas diversas, neste caso cada grupinho recebera uma questão diferente mais seguindo o mesmo modelo anterior; Grupo simples, com funções diversificadas, nesta forma de se trabalhar cada grupinho receberá uma função diferente, o professor devera preparar um tema mais complexo, exemplo: usar um capítulo de um livro onde o grupo A fará o reconhecimento do texto, o grupo B relacionamento, grupo C enriquecimento, Grupo D julgamento e síntese e após isso ser executado devera se relatar aos outros grupos (BORDENAVE; PEREIRA, 1978).
Neste sentido, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998, p.7) o aluno deverá se posicionar-se de forma crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o dialogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas ’’
Esta dinâmica possibilita os alunos trabalharem em grupo, de forma coletiva e ao mesmo tempo individualizada, ou seja, que eles tenham uma tarefa individual para que possam trabalhar suas ideias próprias como cidadãos que estão inseridos na sociedade, trabalhando de uma forma criativa e espontânea.
Essa técnica deve ser organizada a partir de meras educacionais, uma vez que possui como objetivo exposição de conteúdos de natureza diversa através de exposições diversas tais como teorias fatos situações formulas princípios processo de sistemas figuras elementos esses que ñ se apresenta isoladamente, mas sim em forma de conjunto integrante.  A partir de uma estrutura articulando relações entre as partes o que facilita na fixação de ideias no aluno trabalhar com dinâmicas de pequenos grupos e técnicas de trabalho em grupo esse processo de aprendizagem do aprendizagem durante a utilização da ferramenta de debate nesse pequeno grupo fará dele entendido como um conjunto conhecido de pessoas que são interdependentes na tentativa de realização e compreensão de objetivos comuns, visando  um relacionamento interpessoal satisfatório. Essa técnica visa também, um processo de interação entre pessoas que se influenciam reciprocamente. (BORDENAVE; PEREIRA, 1978)

Para Piaget uma aprendizagem significativa é aquela que parte dos conhecimentos prévios assimilando-os na construção de novos conhecimentos. Sendo assim o conhecimento e a aprendizagem estão diretamente ligados ao cotidiano da criança, sendo este valorizado, é possível fazer com que por meio de relações feitas mentalmente pelo aluno ele possa compreender o que está sendo ensinado, e um bom professor tendo a capacidade de explorar esta via poderá obter ótimos resultados partindo do vivenciado do aluno e da realidade que o envolve, tornando visível para a criança que é seu cotidiano é uma pequena amostra da realidade externa (Castellar, 2007).
O professor deve analisar as metodologias e as técnicas de ensino-aprendizagem para construir com os alunos o saber geográfico, desconsiderando a obrigação de passar os conteúdos e realizar avaliações que devem ter bons resultados, e estes indicativos podem vir através de métodos como o de pequenos grupos, onde o aluno ira interagir com outras crianças construindo então a capacidade de conviver em grupo onde cada um tem sua forma de participação e sua forma de pensar possibilitando um compartilhamento de pensamentos (BORDENAVE; PEREIRA, 1978).
Sendo para Piaget a aprendizagem um processo de adaptação às estruturas mentais do sujeito e interação social; o uso do método Grupos pequenos é de grande aproveitamento, pois, terão de se adaptar com novas formas de ensino (lembrando que coisas novas atraem a atenção das crianças) e ainda é uma forma de aflorar a pratica de conviver em sociedade, onde cada sujeito tem sua forma de pensar e agir e compreendendo assim que cada indivíduo tem a sua particularidade e opinião. Com isso, o aluno irá reconhecer que a sociedade e a natureza possuem princípios e leis próprias e que o espaço geográfico é historicamente definido e resulta da interação entre ambas. (BRASIL, 1998, p.129).
A seguir será apresentada uma proposta de ensino de geografia utilizando a técnica de Discussão em pequenos Grupos para abordar a Questão Ambiental no 6 ano do Fundamental.
Para desenvolvimento da proposta o professor terá que dividir a sala em pequenos grupos, os quais irão debater diferentes aspectos da questão ambiental, compreendendo a questão do desperdício de água, o desperdício de energia, a questão do lixo e suas formas de reciclagem para não haver agressão ao meio ambiente, diminuição no uso de embalagens, tipo sacolinhas de mercado, criação de áreas verdes. Todos esses exemplos que citei podem e devem ser trabalhados na própria escola como uma forma de interação com o meio ambiente em que o aluno esta inserido.
Posteriormente à divisão dos grupos, estes irão receber um ou mais textos de apoio para a discussão, sendo:
      Fugindo a responsabilidade (Revista Horizonte Geográfico, edição 51, 2010);
      Consciência Ambiental - Criatividade a favor da natureza (Folha Web, 22-02-12);
      Consumo Consciente – Sacolas plásticas ganham sobrevida no PR (Folha Web, 29-01-12);
      Sacola plástica deixará de ser utilizada em São Paulo (Folha Web, 23-01-12);
      Brasileiros usam 15 milhões de sacolas plástica por ano (administradores.com. br. 11-03-12);
      Desperdício de energia chega a R$16 bilhões por ano (O Estado de São Paulo, 12-01-10);
      Desperdício de água no Brasil é recorde (Correio do Brasil, 22-03-09);
      Poluição das águas (Brasil Escola, sem data);
      Quanto lixo (Brasil Escola, sem data);
      Desperdício de energia no Brasil ainda é grande (Portal PCH, 29-07-08)ç
      Poluição e desperdício reduzem a água disponível no Brasil (Planeta Sustentável, editora Abril – sem data);
      Meio ambiente responsável -na Europa, não reciclar é delito (Folha Web, 10-03-12);
      Áreas verdes melhoram a qualidade de vida (UNAERP, sem data).

Para a leitura dos textos, será disponibilizado 15 minutos para cada grupo, e mais dez minutos para discussão entre os membros do grupo. Após a leitura e formação das idéias, propõem uma dinâmica a qual cada grupo irá falar sobre seu texto e expor suas idéias, tendo para isso 15 minutos. Para finalizar a aula o professor realiza a retomado do assuntos, focando a realidade vivida pelos mesmos, que muitas vezes não é percebida.
Por fim, em contra turno, serão reunidos os alunos para uma saída de campo no próprio bairro da escola, estimulando-os a identificar os problemas levantados no texto.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Lidar com a questão ambiental é de suma importância para a aprendizagem do aluno que esta ali inserida no contexto escolar, ou seja, poderá criar em sua perspectiva uma realidade nova e diferente, fazendo com que ele seja o elo propulsor de defesa e preservação da natureza e por assim dizer, atuando de forma focalizada na defesa do meio ambiente e bem como sua função como cidadão na sociedade.
Contudo, essas ações aplicadas ao aluno auxiliarão no desenvolvimento de sua opinião sobre o contexto geral abordado e poderá aplicar seus conhecimentos acerca disso em outros conteúdos e assim melhorar sua aprendizagem dentro da geografia, num enfoque mais ecológico e correto.
A aplicabilidade da técnica discussão em grupos pequenos é de importância essencial para uma melhor compreensão do mundo, um melhor desenvolvimento de uma reflexão ecológica saudável ao convívio diário. Mas infelizmente as escolas públicas atuam de forma mantenedora e reprodutora dentro de um ambiente predatório, ou seja, apenas se limitam a repassar a informação sem ao menos gerar reflexões sobre o tema e produzir pensamentos produtivos a cerca da Questão Ambiental. As escolas devem passar aos alunos meios efetivos de compreensão aos fenômenos naturais, as ações humanas e bem como ele possa desenvolver essas potencialidades criando uma postura social e ecológica justa na sociedade. Então pelo fato da escola não ter esse interesse ou falta de recursos, acaba-se limitando a aplicabilidade da dinâmica em si e suas técnicas dentro do contexto ecológico, fazendo com que esse aluno não tenha essa responsabilidade ecológica e acabe marginalizando esse tema de suma importância nos dias atuais, não sabendo de seu papel social e muito menos criando dentro dele uma autocritica em relação as políticas ecológicas adotadas e muito menos tendo uma visão social do espaço em que vive.
           
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BORDENAVE, J. D.,  PEREIRA, A.M., Estratégias de Ensino e Aprendizagem. Petrópolis, Vozes. 1978.
BRASIL. S. E. F. Parâmetros curriculares nacionais: 3º e 4º ciclo geografia. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 
CASTELLAR, S. (Org.), Educação Geográfica, Teorias e Práticas Docentes. São Paulo, Contexto, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Postar um comentário